Arquivo da categoria: Notícias

FreePorto #19, Artur Rogério

Raposa se come? Se sim ou se não, foi servida com cação e cachaça, na casa de Marquinhos, que interpretou a raposa na FreePorto 2010. Ok, soou estranho, mas explico logo que ninguém comeu Marquinhos. Naquele dia. Bom, é melhor parar por aqui.

A FreePorto de Artur Rogério foi um encontro entre amigos em que ele cozinhou. Sim, porque escritor, além de participar de eventos literários e dar piti também cozinha. Ou não? Estavam Fernando, Amanda, Isabella e Marquinhos, além do próprio Artur. FreePorto etílico-culinária? Pode ser. Seguem algumas fotos.

Anúncios

A cerimônia


Era noite de festa na Nova Bulgária. Esta seria especial, pois geraria um fenômeno jamais visto em terras neobúlgaras. Pela primeira vez, os cidadãos do protetorado soberano contemplariam um dia, que, ao mesmo tempo, era de sol e de chuva. Era o casamento da Raposa com o Palhaço.

Quando início de noite, um grupo de pessoas já se posicionava ao redor do altar. A Vaca, o Abutre o noivo já estavam posicionados, o sacerdote já vestia sua túnica negra, as luzes já estavam acesas; os últimos preparativos terminados e a lua já estava cheia.

A celebração dependia agora de quem sempre se atrasa e a quem todos queriam ver: a noiva, a Raposa. Seguiu-se um momento de leve tensão. Viu-se, ao longe, um veículo, uma moto. Na garupa, um ser de formosura talvez nunca vista: a raposa, que já estava vestida a caráter e chegava triunfalmente. A população extasiada, batia palmas, gritava, assobiava.

A música começa e noiva encaminha-se, então, para o altar, sob olhares afáveis da população que deseja felicidades infinitas. Sobe as escadas, é recebida por seu noivo, amável. Tem início a celebração, que não só ela, como todos os presentes pareciam esperar, ou sempre ter esperado. Jamais na Nova Bulgária, uma coisa tão linda.

– Raposa, você aceita o Palhaço como seu legítimo esposo? – perguntou a voz grave do sacerdote

– Sim. A resposta veio sem dar qualquer sinal de dúvida

– Palhaço, você aceita a raposa como sua legítima esposa, até que a morte os separe?

– Sim.

Gritos de felicidade. O povo aplaudia, em verdadeiros urros. O que aconteceu depois, talvez nunca se entenda o porquê (talvez na próxima FreePorto). O palhaço vira para a raposa como que para beijá-la, revela seu rosto, até então encoberto por um véu negro. É a face da morte.  Puxa um objeto de sua vestimenta de pingüim, típica dos noivos, movimenta-o contra a Raposa. Era um punhal. A raposa é várias vezes apunhalada no chão do altar. o Palhaço agora ria, como que de orgulho. A população, em estado de choque, assistia a tudo, sentindo estar em um espetáculo de horror.

O rastro do sangue corria pelo meio fio da Rua da Moeda. Ao invés de sol e chuva, uma tempestade de confetes começa a cair, como era costumeiro em tal localidade. O corpo da raposa desaparece por entre a chuva de cores.

No dia seguinte, a população está ansiosa para saber das especulações do Correio da Nova Bulgaria. Afinal, o que terá acontecido à raposa.


O Casamento da Raposa com o Palhaço fez parte do livro vivo, proposto pela FreePorto 2010, em que o Bairro do Recife  se transformou na Nova Bulgária – um estado autônomo governado por escritores e poetas, em uma espécie de oposição à república platônica. Esta foi a penúltima edição do evento, que é uma trilogia, e busca repensar o conceito de festa literária


Vulpes mortuum – último dia da penúltima FreePorto

O último dia da FreePorto teve uma cara de prosa.

Começou com as leituras do novíssimo, pero no mucho, grupo Autoajudaliterária, formado pelos escritores Gerusa Leal, Lúcia Moura, Cícero Belmar, Fernando Farias e Raimundo de Moraes. Sentados no já famoso sofá da FreePorto eles leram alguns contos inéditos e outros conhecidos, como foi o caso de Fernando Farias, que chegou a tirar lágrimas de uma pessoa da plateia.

Na sequência, Ronaldo Correia de Brito e Cristhiano Aguiar, senadores da Nova Bulgária, leram contos seus. Cristhiano Aguiar na oportunidade lançou seu livro “Os justos”, pela Moinhos de Vento. A tarde continuou com a plateia ouvindo Everardo Norões falar sobre poesia, anões e as coisas mínimas de onde se pode extrair arte. Artur Rogério e Muriel Tavares leram na rua seus textos para um público atento, enquanto no obelisco que fica ao lado de uma certa livraria, Ammar Rodriguéz comandava, diante de olhos desavisados, um recital profano poético ao deus Pintão, que, devido a mudanças logísticas, acabou se transformando no deus Pintinho.

Às 19h, com uma hora de atraso, como é digno de qualquer noiva, ainda mais uma raposa, começou o casamento da Raposa. As três personagens que se apresentaram na sexta-feira, a Vaca, o Abutre e o Palhaço, estão no palco à espera da noiva, que chega de moto com Jorge, o poeta do improviso. João Menelau, Kiko e Zé Manoel interpretam o tema inédito “O Casamento da Raposa na Nova Bulgária”. Um sacerdote sinistro começa a cerimônia. Ao final, diante do sim, uma surpresa: o palhaço, que naquela tarde viera com um véu, revela sua verdadeira face: a morte. Apunhala a raposa, no que é seguido pelo sacerdote, que se revela como Bruno Piffardini. Artur Rogério e Wellington de Melo também dão mais duas estocadas. O corpo inerte da raposa jaz no palco. O palhaço declara ironicamente “Vida longa ao império dos escritores”, e sai do local com o escalpo da raposa. Vulpes mortuum. A raposa está morta.

A plateia, ainda sem entender o que acontecera com a raposa, assistiu ao fenomenal show da banda Sabiá Sensível, que encantou a plateia com sua loucura mezzo tropicalista mezzo qualquer-coisa-tudo-de-bom.

Foi isso, pessoal! A raposa morreu. E agora? Cenas do próximo capítulo…


Segundo (e penúltimo dia) – 04.12.2010

Turistas, escritores convidados e cidadãos neobúlgaros puderam apreciar o território da bela nação constituída através de um citytour pela, antigamente tida como, Ilha do Recife. A primeira parada foi na Explatônia (confira o mapa da Nova Bulgária), onde se apreciou esse lugar anteriormente tido como Marco Zero da cidade do Recife, tal qual a Província Ultramarina do Cachimbo e outras mais províncias circundantes. O citytour também parou no Forte do Brum, onde os visitantes puderam apreciar a vista do porto e dos tanques da Petrobras, tal qual os expostos no museu militar.

Logo em seguida, dando continuidade a programação desse segundo e penúltimo dia da FreePorto duplas de escritores se apresentaram na rua da Moeda (quem foram eles? confira na programação). Mais adiante no Corpos Percussivos foi debatido (fora da programação) os assuntos: Manifesto do Nada, Poesia Camaleão e Nanoliteratura, com grupos de ensino médio que defendem a causa.

Novamente na rua da moeda os nobres cidadãos dessa tão amada ilha estiveram presentes num bate-papo entre Renata Pimentel, Alexandre Furtado, Nicolas Behr e Bruna Beber, no Café Cultural Fafire – Especial FreePorto, na rua da Moeda. Seguido novamente por duplas de escritores. Enquanto no Corpos Percussivos o Cineclube AZouganda exibiu e debateu o filme de Glauber Rocha, Jorge Amado.

Às 20h, o Corpos Percussivos, na Rua da Moeda, abrigou uma conversa/debate entre Johnny Martins, Delmo Montenegro e Raimundo Moraes sobre poesia homoerótica. O evento foi transmitido ao vivo através de um broadcast da FreePorto (o mesmo fora anunciado previamente no Twitter, mantenha-se informado através de @freeporto) e teve a participação de internaltas. O frutífero debate fez Marcelino Freire abrir mão de seu momento de ser entrevistado pelo público, ele sentou-se ao sofá e deu gás à mesa (ou melhor sofá) que nessa hora já debatia a questão do rótulo de obra.

Silvama Menezes lança seu livro e os autográfa depois da apresentação do grupo Vozes Femininas. O grupo Cia Duvidosa monta seu cenário na rua da Moeda e apresenta o espetáculo Esta propriedade está condenada.

A noite terminou com a festa de Despedida de Solteiro do Palhaço, a Inundada foi regida pelo DJ Mr. Kaya no Bar Burburinho. Hoje, a Free começa às 14h e terá quase todas as suas mesas (sofás) no Corpos Percussivos, transmitidas ao vivo por aqui (clique) – mais informações no twitter @freeporto.


Primeiro dia – 03.12.2010

Quem esteve no Distrito Federal da Nova Bulgária (para os mais desinformados estrangeiros que exista: aproximadamente entre a Rua Tomazina e a Rua da Moeda no antigo Recife Antigo) foi testemunha da instituição oficial e totalitária da Nova Bulgária.

Pouco depois que o sol se pôs, depois das seis e antes das sete da noite, o Burburinho assistiu a chegada Marcelino Freire e Jomard Muniz de Britto para ao comando de Roberto Queiroz fazer-se um recital.

Às 20h as ruas foram invadidas pelo povo e pela voz que propalava em passeata a poesia de Lucila Nogueira, homenageada daquela primeira noite da FreePorto.

Logo todos ocuparam o Corpos Percussivos ali na cede da Província Soberana da Nova Bulgária para apreciar a apresentação musical do escritor e músico uruguaio Martín Palacio Gamboa, que cantou versões em espanhol de poemas de Lucila Nogueira e leu poemas seus, com tradução (quase que) simultânea de Wellington de Melo.

Logo depois tivemos Pedro Paulo Rodrigues recitando poemas de sua autoria e a entrega o prêmio Pierre Menard de Cover Literário, o qual foi ganho Gerusa Leal por cover a Homo Erectus de Marcelino Freire, que recitou original, sucedido por Gerusa que leu o cover.

Quem esteve no Twitter acompanhando a Free pôde saber antes que Lucila chegara a Rua da Moeda e alguns minutos depois todos souberam quando Bruno Piffardini assumiu o microfone e vociferou: “senhoras e senhores, Lucila Nogueira adentra o ambiente”.

Na mesa de debates (digo, no sofá vermelho da FreePorto) o leitor pernambucano Daniel Xavier, juntamente a Marcelino Freire e o escritor mineiro Mario Prata conversaram sobre Campos de Carvalho.

Depois o triunvirato do Urros Masculinos, Artur Rogário, Wellington de Melo e Bruno Piffardini, comandaram a posse dos senadores da Nova Bulgária. Allan Sales deu voz ao hino neobúlgaro.

O desfile de figuras emblemáticas da nação neobúlgura como O Abutre, A Vaca e O Palhaço causaram frison nos presentes. Quem esteve por lá pôde conferir quando A Raposa aproximou-se do trono e foi pedida em casamento pelO Palhaço.

As bandas Ganharva e Voyeur fecharam a noite animando toda a a Rua da Moeda, mas não sem que antes Wellington de Melo impactasse a todos com uma leitura de poemas de O peso do medo.

Agora, que venha o segundo dia e que venham para o segundo dia – a FreePorto só começou.

Algumas fotos da noite (para ver mais, clique aqui):


Conheça a Nova Bulgária

FreePorto 2010 propõe um livro vivo, com cenário no Recife Antigo

Entre os dias 03 e 05 de dezembro, o Bairro do Recife Antigo irá se transformar em um estado autônomo – denominado Protetorado Soberano da Nova Bulgária, ilha em que as ruas são governadas segundo as leis de escritores e poetas –  e as pessoas que lá estiverem serão partícipes de uma narrativa que conta a história do casamento da raposa com o rouxinol.

Surgida em 2009 com a proposta de fazer uma Festa Literária irreverente (em dois sentidos: o do humor e também o de não fazer reverência ao fenômeno que produz literatura de prateleira) e de rever o próprio formato tradicional das festas literárias, a FreePorto, promovida pelo grupo Urros Masculinos, chega a sua segunda e penúltima edição, propondo um “livro vivo”. Nos três dias de evento um grupo de atores e escritores irá encenar a narrativa ao ar livre, O Casamento da Raposa, na qual o público fará parte do elenco. Ainda haverá uma programação de conferências com nomes da literatura pernambucana e nacional, e a presença internacional do poeta uruguaio Martín Palacio Gamboa.

Raísa Feitosa é uma das jovens convidadas da FreePorto

A celebração à literatura não se resume à encenação, mas se alastra por todo no Recife Antigo, local onde acontece a Festa. Durante o evento, o bairro será um grande palco, transformando-se em Nova Bulgaria (em uma referência à obra Púcaro Búlgaro, do escritor mineiro Campos de Carvalho, um dos homenageados do evento), que constitui um universo fictício, com governo próprio, em que os escritores são os “donos da rua” e podem ditar a política do local. O melhor é que todo aquele que comprovar o ofício por meio de seus manuscritos ou similares podem adquirir uma via pública como sua propriedade e mandar uma carta à página da festa, falando de suas boas intenções como “gestor público”. Durante o evento, aqueles que quiserem clamar uma rua como sua, devem fazer uma declaração pública na Rua da Moeda em forma de poema, numa mistura de recital relâmpago e pregão medieval.

Também fazem parte da programação da FreePorto 2010 apresentações musicais, sessões de leituras, conversas, lançamento de livros, entrega o 1º Prêmio Pierre Menard de Cover Literário  (para quem fizer o melhor texto cover de seu autor favorito) e outros eventos com propostas “bastante peculiares” . Este ano, além de Campos de Carvalho, a feira homenageia as escritoras Lucila Nogueira e Silvana Menezes e a referência principal às suas obras está na programação, em que cada evento recebe como título uma frase ou verso deles.  Toda a programação encontra-se na página:  (https://freeporto.wordpress.com/).

Dois eventos, que acontecem na Fafire, irão preparar o caminho para a FreePorto. O primeiro aconteceu no último dia 18, e será um bate papo entre com Bruno Piffardini (Urros Masculinos), o escritor Delmo Montenegro e o professor e crítico literário Johnny Martins (doutorando em teoria literária pela UFCG). O outro será um recital que acontece no próximo dia 30, com a participação de escritores da cena local e alunos escritores da instituição.


Programação FreePorto 2010

PROGRAMAÇÃO FREEPORTO 2010

SEXTA-FEIRA – 03 DE DEZEMBRO DE 2010 – ATO I – REPARTIR O PÃO – LUCILA NOGUEIRA

Falarão meus poemas pelas ruas

O escritor pernambucano Roberto Queiroz comanda um recital com seus convidados, a partir das 18h, no Bar Burburinho.

Cigana sim, faca na cintura

O escritor e músico uruguaio Martín Palacio Gamboa faz uma apresentação musical, a partir das 20h, no Espaço Corpos Percussivos.

Mas não demores tanto

O escritor e artista plástico amazonense Pedro Rodrigues lê textos de sua autoria e entrega o 1º Prêmio Pierre Menard de Cover Literário, a partir das 20h30, no Espaço Corpos Percussivos.

E então seremos pedra solitária

O leitor pernambucano Daniel Xavier abre a FreePorto numa conversa sobre Campos de Carvalho com o escritor pernambucano Marcelino Freire e o escritor mineiro Mario Prata, a partir das 21h, no Espaço Corpos Percussivos.

Mudaram só os nomes dos tiranos

O escritores pernambucanos Artur Rogério, Wellington de Melo e o escritor paulista Bruno Piffardini comandam a posse dos senadores da Nova Bulgária, a partir das 22h, na Rua da Moeda. Participação especial do músico e escritor cearense Allan Sales, interpretando o hino neobúlgaro.

A fada chora anunciando a morte

As bandas pernambucanas Gandharva e Voyeur apresentam-se, a partir das 23h, na Rua da Moeda.

O escritor pernambucano Wellington de Melo, acompanhado pelo músico pernambucano Jorge Martins e pelo grupo de maracatu Corpos Percussivos, realiza leitura de poemas do seu livro O peso do medo, 30 poemas em fúria, a partir das 0h, na Rua da Moeda.

SÁBADO – 04 DE DEZEMBRO DE 2010 – ATO II – CELEBRAR A CARNE – SILVANA MENEZES

No Paço Alfândega tudo é vazio

Passeio em ônibus turístico com intervenções literárias pela Nova Bulgária (Bairro do Recife), a partir das 14h, saída da Rua da Moeda.

Pouco lhes importa se eu sei abrir uma porta

A banda Enxaqueca toca a Swingueira da Noiva, com belas canções inspiradas em poemas famosos, a partir das 15h, na Rua da Moeda.

Diz a Tim que depois eu conto tim tim por tim tim

Duplas de escritores se apresentam, a partir das 16h, na Rua da Moeda.

Allan Salles e Mariane Bigio

Malungo e Isabella Marques

Pedro Américo de Farias e Flô

Raísa Feitosa e André de Senna

Não quero mais saber de escrever poemas

O professor pernambucano Alexandre Furtado apresenta a professora pernambucana Renata Pimentel, que medeia um bate-papo com o escritor mato-grossense Nicolas Behr e a escritora carioca Bruna Beber, a partir das 17h, no Café Cultural Fafire – Especial FreePorto, na Rua da Moeda.

Quando soltaram os cachorros loucos era noite

Duplas de escritores se apresentam, a partir das 18h, na Rua da Moeda.

Renata Santana e Vitoria Fulô

Ícaro Tenório e Vertim Moura

Júlia Larré e Bruna Beber

Jomard Muniz de Britto e Nicolas Behr

O Cineclube AZouganda, da Universidade de Pernambuco, exibe filmes, a partir das 18h, no Espaço Corpos Percussivos.

Vi Dom Helder comendo docinhos

A equipe de produção da FreePorto se alimenta e descansa um pouco porque também é filha de Deus, a partir das  19h, onde eles quiserem.

Quero escrever meus versos em teu corpo nu

Os escritores pernambucanos Johnny Martins, Delmo Montenegro e Raimundo de Moraes conversam sobre poesia homoerótica, a partir das 19h45, no Espaço Corpos Percussivos.

À noite sonho com todos os poetas na farra

O público entrevista o escritor pernambucano Marcelino Freire, a partir das 20h30, no Espaço Corpos Percussivos.

Quantas?

O grupo literário Vozes Femininas, formado pelas escritoras pernambucanas Mariane Bigio e Susana Morais e pela escritora paraibana Silvana Menezes, se apresenta, a partir das 21h30, na Rua da Moeda.

Hoje eu vou sair

A escritora paraibana Silvana Menezes autografa seu primeiro livro publicado, Vire a página, a partir das 22h, na Rua da Moeda.

Debruçada diante do papel em branco

A companhia teatral Cia Duvidosa apresenta o espetáculo Esta propriedade está condenada, dirigido por Sidmar Giannette, texto de Tennessee Williams, com os atores Lorena Cronemberger e Samuel Bennaton no elenco, a partir das 22h30, na Rua da Moeda.

Inundada!

Festa de Despedida de Solteiro com o DJ Mr. Kaya, a partir das 23h, no Bar Burburinho.

Entrada: R$ 5,00

Venda antecipada no local

DOMINGO – 05 DE DEZEMBRO DE 2010 – ATO III – BEBER O VINHO – CAMPOS DE CARVALHO

Nenhum candidato a voluntário

O grupo literário Autoajuda literária, formado pelos escritores pernambucanos Gerusa Leal, Cícero Belmar, Lúcia Moura, Fernando Farias e Raimundo de Moraes, realiza leitura de contos, a partir das 14h, no Espaço Corpos Percussivos.

MSPDIDRBOPMDB

O escritor cearense Ronaldo Correia de Brito e o escritor paraibano Cristhiano Aguiar leem contos, a partir das 14h50, no Espaço Corpos Percussivos.

O senhor já foi à Bulgária?

O escritor pernambucano Wellington de Melo ouve com o público o escritor cearense Everardo Norões falar sobre poesia e ler seus poemas, a partir das 15h30, no Espaço Corpos Percussivos.

Capítulo sem sexo

O escritor paulista Bruno Piffardini conversa com o escritor mineiro Mario Prata, a partir das 16h, no Espaço Corpos Percussivos.

Mandei-o tomar no Ó e não no Zero.

Os escritores pernambucanos Artur Rogério e Martides Silva se apresentam, a partir das 17h, na Rua da Moeda.

Foi no tempo em que os bichos falavam

O escritor pernambucano Aymmar Rodriguéz comanda um recital profano ao deus Pintão e a PPP – Procissão Profana de Poesia, que, acompanhada do Maracatu Fio Terra, sai, a partir das 17h, da Explatônia (conhecido como Marco Zero) em direção à Rua da Moeda.

Até página antiga resolveu aterrissar aqui

Cerimônia d’O casamento da Raposa, a partir das 18h, na Rua da Moeda.

Os músicos pernambucanos João Menelau, Kiko de Carnavale e Zé Manoel interpretam a canção O casamento da raposa na Nova Bulgária.

Saí pra matar o tempo e matei-o

Show com as bandas Sabiá Sensível e Rivotrill, a partir das 19h, na Rua da Moeda.

——

Durante toda a FreePorto

Tempo. Exposição de trabalhos do fotógrafo pernambucano Felipe Ferreira, edição de Fred Jordão, no Bar Burburinho.

Церемония (Tseremoniya). Exposição de painéis do artista plástico pernambucano Raoni Assis, no Espaço Corpos Percussivos.

Jantar com as estrelas. Degustação de pratos de cardápio homenageando escritores participantes da FreePorto, no Bar Burburinho.

O Poder cai na gandaia! Durante os três dias, toda a cúpula do governo da Nova Bulgária congraçará com os cidadãos, batendo fotos e distribuindo autógrafos na Rua da Moeda e na Rua Tomazina.

——-

Out-Fest – Programação Paralela

Agora a FreePorto também tem sua programação paralela, como toda boa festa literária, promovida com a colaboração do Supremo Ministério da Cultura e Habitação da Nova Bulgária.

Confira nossa esfuziante programação, que acontece sempre no Polo Cruz do Patrão, local aprazível e de acessibilidade estonteante.

04 de dezembro

  1. 1. A dialética negativa de Adorno sob uma perspectiva marxista na obra de João do Morro: intersecções. Palestrante: Nicolai Gagarin, PhD. A partir das 2h (manhã), no Polo Cruz do Patrão. Vagas limitadas.
  2. 2. Um novo olhar sobre a poesia impopular neobúlgara enquanto manifestação incorpórea dos vassalos Rosália Rolha de Poço, Luizinho Mora na Lua e Zeca Cara de Barraca. Palestrante: Ermetildes Zolari, bibliotecária. A partir das 4h (manhã), no Polo Cruz do Patrão. Vagas limitadas.

05 de dezembro

  1. 3. A fenomenologia concreta de Alexandre Kojève na obra de Octavio Paz: um itinerário duvidoso. Palestrante: Artur Lins, Margrave do Bom Jesus. A partir das 2h (manhã), no Polo Cruz do Patrão. Vagas limitadas.
  2. 4. Idiossincrasia e contrassensos entre estética e ideologia na nova poética búlgara – uma análise pós-Althusseriana. Palestrante: Bruno Piffardini, Arconte-Litigador. A partir das 4h (manhã), no Polo Cruz do Patrão. Vagas limitadas.

Reservas antecipadas: freeportofestaliteraria@gmail.com


Ensaio do Casamento da Raposa

No Hermilo Borba Filho, equipe conversa sobre a FreePorto

No Hermilo Borba Filho, equipe conversa sobre a FreePorto


Mudança de horário no Estúdio Móvel

Devido a uma confusão de comunicação com a produção (eita, que eco) do Estúdio Móvel, o programa sobre a FreePorto foi exibido na quarta-feira e não na quinta, como informamos.

Pedimos desculpas a todos e tentaremos disponibilizar via internet o programa para que as pessoas que não assistiram possam fazê-lo.


FreePorto na TV Brasil

Esta semana, quinta-feira a partir das 17h, vai ao ar a entrevista dada pelo Urros Masculinos ao programa Estúdio Móvel, que passou por Pernambuco para fazer uma edição especial sobre o que anda rolando de cultura no estado.

Naturalmente o Urros vai falar sobre sua produção e sobre a FreePorto. No mesmo dia também participam Zé Cafofinho, Cláudio Assis e Marteus Naschtegaele. A programação da semana especial Pernambuco segue abaixo:

PROGRAMAÇÃO SEMANA 25 A 29 DE OUTUBRO
Segunda Feira:

Academia da Berlinda + DJ Dolores + Derlon

Terça Feira:

Academia da Berlinda + Orquestra Contemporânea de Olinda + Cine Clubismo + Cannibal

Quarta Feira:

Orquestra Contemporânea de Olinda + + Claudio Assis e Mateus Naschtegaele Leandro Mariz

Quinta Feira:

Zé Cafofinho + Claudio Assis e Marteus Naschtegaele +Urros Masculinos

Sexta Feira:

Zé Cafofinho + Orquestra Contemporânea de Olinda + Academia da Berlinda

%d blogueiros gostam disto: